1 ano de blog

Pink falando!

Eis que entro no chat do Misinformation no facebook (Sim, nós temos um chat), e o Butch havia lançado o seguinte comentário:

Butch: Fiz o post de um ano de blog, seria legal se td mundo desse uma contribuída.

Entusiasmado, curioso, confesso até um pouco temeroso, acesso o blog e me deparo com um post vazio…

Porém criado em nome do Butch!

Falarei mais com o tempo… Ainda tenho muito a dizer nesse post!

Tyler:

Um ano de blog….

Caramba parece que faz mais tempo do que isso. Tanta coisa acaba acontecendo em um ano que dá a impressão de que foi bem mais. Lembram das manifestações que tavam rolando ano passado? Foi nessa época que foi lançado o Misinformation.

Primeiro post sobre o assunto inclusive.

E depois disso, matérias sobre filmes, jogos, curiosidades, Mr. Pink com polêmicas, fatos nem tanto assim besteiras, miss-informations, Pink com mais polêmicas e mais polêmicas e de tudo um pouco.

Sem contar os gameplays e podcasts que quase são maneiros pacas.

Mais interessante é o tanto de coisa que acontece nas nossas vidas. Pare e pense caro leitor, o que você estava fazendo ano passado? E como você está agora? Nada mudou né? Bem-vindo ao clube!

Bom…

Eu me demiti e vim pro Canadá.

Foi uma boa mudança mas também muita sorte e trabalho duro.

Mentiroso.

Eu me afastei do blog por um tempo porque estava abrindo novas franquias ao redor do globo e agora estou juntando material para fazer umas postagens sobre essa grande nação que é o Canadá. Grande, mas mais da metade é coberta por gelo e inabitável. Obrigado a todos vocês três leitores que nos acompanharam e dedicaram seu tempo com nossas besteiras.

Pink de volta!

As pessoas sempre me perguntam se conheço Tyler Durden… Mas acho que o Butch vai preferir contar sobre como ele conheceu Tyler, então eu queria comentar sobre como eu conheci o Butch.

Parece que foi ontem, ambos usávamos identidades falsas na época, entramos para o programa espacial, lembro-me que ele estava fugindo de Marsellus Wallace, e por ventura do destino a sobrevivência da raça humana recaiu sobre nossos ombros, um meteoro estava em rota de colisão com a Terra e nós deveriamos perfurá-lo e explodir bombas atomicas dentro dele.

Com esse conhecimento fizemos um podcast sobre futuros pós-apocalipticos!

Loucos Dias!

Loucos Dias!

 Butch falando!!

O safado do Pink gosta de omitir a sua parte vergonhosa nessa história, esse safado vem pra mim a uns 30 anos numa época onde eu passava por dificuldades financeiras, havia fugido com minha mulher por besteira, uma briga idiota com um dos maiores gangsters da cidade, ele me jurou de morte (estou ocultando os detalhes que envolvem assassinato, roubo, um relógio e sodomia, mais ou menos nessa ordem), enfim depois de fugir de moto chopper com minha mulher, ela me largou depois que eu torrei a toda a grana do roubo em ácido, bem, mas onde eu estava mesmo?… A sim, ele aparece me oferecendo uma grana que eu poderia consider suspeita em qualquer outro momento, talvez mais sóbrio, entretanto não desconfiei de nada, ele queria investir num projeto, dizia que queria mudar de vida, essa história toda, então compramos equipamentos e fomos ser perfuradores de poço de petróleo, não me pergunte porque, mas foi um sucesso nos prestávamos serviço para as maiores petroleiras americanas, enfim, o que esse filho da puta não me disse é a origem do dinheiro, eu devia ter desconfiado, um diamante roubado por ele e mais uns caras que ele passou pra traz, ele queria lavar a grana do roubo e eu pareci o idiota perfeito, estávamos para ser presos quando alguém achou que seria uma brilhante ideia de usar nossas habilidades profissionais para instalar bombas em um meteoro gigante que vinha colidir com a terra, como uma forma de perdoar nossos crimes, é esqueci de dizer nesse período a terra estava prestes a ser destruída, é toda essa história de apocalipse, ou armagedom, não lembro bem… enfim a gente prestaria um serviço a humanidade e nossa divida perante a sociedade estaria quitada.

Entretanto não foi tudo como planejado, ele pirou no espaço quase matou todo mundo, ficava gritando – Quem é o profissional aqui, quem é – bom a gente quase se fodeu aquele dia, conseguimos escapar mas algo deu errado, não sei bem, minha memória funciona mal desde aquele dia, só lembro de parar na Terra novamente, e conhecer o Tyler, é as pessoas sempre me perguntam se conheço Tyler Durden, bom a volta para Terra não foi perfeita, alguma coisa aconteceu, lembro de um impacto, explosão e ser lançado por um buraco de minhoca através do tempo e espaço, viajando em um milésimo de segundo pelos confins mais obscuros do universo, mas não me peçam detalhes, não lembro de nada, talvez algo sobre raças alienígenas, futuros distópicos, Gary Oldman, bem só sei que minha vida não foi mais a mesma, não conseguia mais me prender a uma linha temporal, bem, mas onde eu estava mesmo?… Sim quando conheci Tyler Durden, bom acho que ele pode contar melhor essa história.

Tyler:

O que muitos não sabem ou mesmo esperam, é que depois de segurar as mãos com a Marla e ver os prédios caindo, existe uma história. Se a vida fosse um filme Disney….. mas não é. Quando a polícia chegou, todos os macacos espaciais já tinham fugido. Eu fiquei lá. Se você fosse pego ou preso ao fazer sua lição de casa, você está fora do Clube da Luta. Eu entendo. Depois de muito tempo, processos, visitas de advogados e policiais, eu fui considerado insano e incapaz de responder pelos meus atos.

Foi então que conheci o Butch.

Eu estava na ala de recreação do asilo. Sabe, aqueles asilos, pra gente louca. Eu era o rei dos loucos, todos me respeitavam. Eu era Tyler Durden novamente. Ele chegou para mim com essa conversa completamente pirada, mais insano do que minha esquizofrenia, algo sobre o “Exército dos 12 macacos”. E ele queria escapar. Eu tentei ajudá-lo, mas não adiantou muito. E um dia, puff, ele sumiu.

Eu reencontrei ele na festa do meu pai e ele estava mais pirado do que eu. Eu tentei ajudá-lo novamente, mas não foi muito produtivo. Eu estava ocupado com um projeto. Maior que o Clube da Luta. Maior que o Project Mayhem. Eu era o líder do Exército dos 12 Macacos. E nós íamos mudar o mundo. Apesar do meu plano ter dado certo, no final das contas todo mundo se ferrou. Alguma coisa envolvendo a empresa do meu pai e um vírus mortal.

Eu reencontrei com o que deve ser uma versão do Butch de outro futuro, ou foi o que ele me disse pelo menos, e nós fugimos para um lugar onde o vírus não nos mataria. E, como aprendemos nos filmes, esse lugar é qualquer lugar exceto EUA e países mais ricos da Europa e Ásia.

Completamente Maluco!

Você é completamente maluco!

Pink

Eu gosto de pensar que as coisas não estão ligadas, que somos governados pelo acaso, e coincidências das mais estranhas acontecem ocasionalmente, macacos espacias…

Tyler sempre chamava seus homens assim, quem diria que quando ele se tornou líder dos 12 macacos ele realmente encontraria alguém que foi para o espaço?

Mas essa é a história de como Butch e Tyler se conheceram…

Deixe-me dizer como eu conheci Tyler.

Butch estava navegando entre buracos de minhoca e portais temporais por algum tipo de diversão bizarra, é um idiota, eu dizia que ele deveria agir de forma mais profissional.

Perguntem a eles qualquer dia como conheceram o Dr. Peter Venkman sob o pseudônimo de Mr. Bishop, aposto que será uma história fascinante.

Tyler ocasionalmente tinha suas loucas recaídas, mesmo quando comandando o exercito dos 12 macacos, e nessas ocasiões ele entrava em algum clube da luta clandestino usando o nome de Cornelius, foi onde nos conhecemos.

Você nunca conhece alguém bem de verdade até essa pessoa deslocar seu ombro ou quebrar o seu nariz.

No final da luta, nunca importa quem vence ou quem perde, dois homens estão do lado de fora conversando.

“Cerveja é a urina do Diabo”, diz Tyler olhando para a garrafa pequena em suas mãos.

“Qual o seu nome?”, Ele me perguntou.

“Eu jamais falo meu nome de verdade… Questão de profissionalismo, e nem quero saber o seu!”, Ele me ofereceu a mão para me cumprimentar.

“Eu sou Tyler!”, O olhei com certa duvida e o cumprimentei de volta.

“Pode me chamar de Mister Pink!”

Na semana seguinte eu encontrei Butch enquanto fazia compras no mercado, ele estava com um corte no rosto, parecia de uma gilete, mas não era, nos cumprimentamos e começamos a conversar, então eu fiz a pergunta que todos sempre nos fazem quando vem nossos machucados no rosto e no corpo.

“Você conhece Tyler Durden?”

Eu depois da luta.

Eu depois da luta.

Peter falando!

Depois de muita insistência, me convenceram a começar a postar aqui. Me pediram uma várias vezes pra preencher um espaço vazio no último podcast que gravamos e acabou dando certo, mas só me pediram esse dia por causa da vez que conheci o Tyler:

Em uma das dimensões que existo em forma humana, estava passando por algumas mudanças fisiológicas (talvez puberdade) e decidi que estava ficando apto para lutar como amador. Na minha primeira tentativa com as artes marciais em uma competição clandestina, subi no ringue e me deparei com um cara razoavelmente forte, com uma roupa bem colorida e fazendo acrobacias com os pés. No momento exato em que a luta começou, levei um soco e apaguei. Foi o primeiro dia que eu esqueci que tinha reflexos rápidos de aranha.

Acordei no vestiário, sozinho, ouvi gritos e fui ver o que aconteceu: Tyler tinha roubado o prêmio de segundo lugar (já que ele tinha ficado com o primeiro) e corria em minha direção para alcançar a porta atrás de mim. Fiquei com muito medo e deixei ele passar, mas quando ele chegou nas calçadas, algo chocante aconteceu: Ele foi impedido por meu tio e devolveu o dinheiro, hoje somos amigos.

Não lembro muito bem se meu tio sobreviveu mas acho que foi essa a história.

 

Comentários

Comentários!