Lucy

Nesse novo filme estrelando Scarlett Johansson e Morgan Freeman, o diretor explora o que seria do ser humano se ele pudesse usar 100% de sua capacidade cerebral, ao invés dos cogitados 10%.

Lucy


Um filme ágil, interessante e bem ousado, com um pouco de humor e alguma emoção e muitas cenas de ação, tiroteios e, claro, os peitos a beleza estonteante da Scarlett.

coisa fofa

coisa fofa

Eu fui assistir o filme sem nem saber do que se tratava. Vi um poster dizendo LUCY – Scarlett Johansson & Morgan Freeman  então logo assumi que valia a pena dar uma conferida.

Deixe-me começar dizendo que, se você acredita em ciência ou religião, por favor, deixe tudo isso do lado de fora da sala do cinema. Tudo que você acredita ou crê não vale de nada nesse filme e o único jeito de aproveitá-lo é acreditando cegamente em tudo que ele joga em você. Esse filme exagera e puxa a barra, especialmente com a questão científica e os religiosos mais ortodoxos vão se ofender severamente com essa obra mas isso não é novidade. Até aí tudo bem, porque faz parte da mágica do cinema e nós estamos pagando para ser enganados, mas a própria lógica que o filme impõe é quebrada durante ele. Num momento Lucy tem o poder de fazer todos na sala, exceto um homem específico, caírem inconscientes no chão e no próximo ela deixa banhos de sangue e tiroteio rolarem soltos.

Aí, todo mundo cai exceto o bonitão no meio. Safada.

Aí, todo mundo cai exceto o bonitão no meio. Safada.

A primeira meia hora do filme te faz ficar na ponta do assento, ele começa com uma pergunta soco na cara:

A vida nos foi dada cerca de 2 bilhões de anos atrás e o que nós fizemos com ela?”

A sequência inicial é simplesmente genial e cria toda atmosfera que o filme promete e que você esperava. Mas depois dessa primeira meia hora, parece que o diretor pediu mais dinheiro e resolveram colocar o estagiário em cargo do filme. Ainda impressionante, sem deméritos, ele me falhou talvez pela enorme expectativa gerada e com a sucessão de cenas exageradas que se seguem.

Mas você foi ao cinema pra ver isso, então não importa se faze sentido ou não.

Mas você foi ao cinema pra ver isso, então não importa se faze sentido ou não.

O fim, no entanto, é tão espetacular quanto o início, se você foi capaz de aceitar tudo que lhe propuseram. A jogada com o nome Lucy é que esse foi o nome dado ao primeiro primata com características humanas. Eu acho.

Dramatização de um primata com características humanas

Dramatização de um primata com características humanas

 

Eu não quero dar spoilers, então vou deixar para você mesmo descobrir a relação ou ir assistir o filme. Mas acredite, o final é mind blowing.

 

Em sua conclusão, o filme responde à própria pergunta:

A vida nos foi dada cerca de 2 bilhões de anos atrás. E agora você sabe o que fazer.

No geral, esse é um filme muito bom, a experiência do cinema faz valer as quase 2 horas, mas como eu disse, se você quiser curtir o filme vai ter que engolir a seco tudo que ele joga na tua cara.
Nota: 7.65/10

Comentários

Comentários!