cultura

Não consegui dormir. Horas me revirando na cama e nada. Por isso escrevo este texto, na esperança de passar o tempo para que o dia comece logo. Por isso escrevo este texto, porque meus pensamentos me remoíam a mente e me dragaram a escrever.

Quem aqui não está acostumado já a se deitar na cama e, de tempos em tempos, passar um carro popular que mesmo sendo “popular” custa uns bons 20 mil reais na rua estourando as janelas e os tímpanos no volume máximo do seu sistema de som que custou mais do que a própria casa do motorista? E muitas dessas vezes é o famoso pancadão carioca, o sertanejo corno , universitário ou não, ou um forró. Muitas é pouco. SEMPRE nos atordoam com esse tipo de música. Mas esse não é o motivo de eu estar acordado esta noite. Esta noite não. Mas já perdi muito o sono por causa de criminosos que insistem em querer se exibir e pagar uma de “bandidão” pra todo mundo do bairro “saber quem é que manda”. Mal ele sabe que todos no bairro querem que o motor dele queime de um jeito anômalo a gasolina e tenham que chamar o dentista de infância desse monte de carne carbonizada para os familiares terem a certeza de que era ele mesmo.